Presidente Executivo da Andav, Paulo Tiburcio, acompanha posse do novo chefe-geral da Embrapa Territorial, Gustavo Spadotti

Gustavo Spadotti, Evaristo de Miranda, Tereza Cristina e Paulo Tiburcio | Foto: Alan Rodrigue

O engenheiro agrônomo Gustavo Spadotti, que assumiu a chefia geral da Embrapa Territorial em janeiro deste ano, foi formalizado no cargo, nesta segunda-feira (11). Spadotti sucede o pesquisador Evaristo de Miranda, gestor do centro de pesquisa durante os últimos seis anos. A solenidade de posse aconteceu no auditório da instituição, em Campinas (SP), e contou com a participação de 150 convidados.

A cerimônia teve as presenças da deputada federal e ex-ministra da Agricultura Tereza Cristina, do presidente da Embrapa, Celso Moretti.

O presidente executivo da Andav, Paulo Tiburcio, acompanhou a cerimônia e reforça a importância do trabalho da Embrapa, bem como as contribuições inestimáveis da entidade para a agropecuária brasileira. “Aproximar os atores da Cadeia de Produção Agropecuária à pesquisa, especialmente aos estudos encabeçados pela Embrapa, traz benefícios sem precedentes, uma vez que, associamos a experiência da produção no campo, aliada aos novos manejos, implementos e tecnologias propostos pelo avanço da pesquisa e desenvolvimento.” Destaca, Paulo.

Agro movido a ciência

Evaristo de Miranda esteve à frente do centro de pesquisa em três períodos (o da sua criação, início dos anos 2000 e de 2015 a 2021). Em cada uma dessas passagens, enfrentou diferentes desafios e realizou uma série de pesquisas. No entanto, ele considera como maior contribuição de sua gestão, os estudos que dimensionam o papel dos agricultores brasileiros na preservação do meio ambiente.

Hoje, sabemos que os produtores rurais são responsáveis por preservar 33% do território nacional em suas propriedades. Este trabalho é importante para desmistificar a visão de que o agricultor é o vilão do meio ambiente”, enfatizou o ex-chefe-geral.

O legado deixado por Evaristo de Miranda foi destacado pela deputada federal e ex-ministra Tereza Cristina. Ela elogiou o trabalho do centro de pesquisa em inteligência territorial estratégica e afirmou que ainda sente a falta do Ministério da Agricultura trabalhar mais no tema.

Com a ajuda da Embrapa, o Mapa vai ficar mais afinado com o desenvolvimento de inteligência territorial, que é fundamental para chegarmos onde queremos. Com informações atualizadas, teremos respostas prontas e exatas para darmos aos que não acreditam na sustentabilidade brasileira”, disse.

Para o presidente da Embrapa, Celso Moretti, o diferencial do agro brasileiro está no uso de tecnologias e ciência. Foi a ciência, como frisou, que possibilitou ao Brasil transformar os cerrados de solo pobres em terras férteis. Outro exemplo, citado por Moretti, foi o desenvolvimento de uma plataforma de produção sustentável, que agrega tecnologias como Integração Lavoura-Pecuária-Floresta, Fixação Biológica de Nitrogênio, Sistema Plantio Direto e Florestas Plantadas.

Com todos nossos avanços, hoje, alimentamos 800 milhões de pessoas e preservamos 2/3 do território nacional. Produzir, alimentar quatro ‘Brasis‘ e ainda preservar o meio ambiente, não existe nada similar no mundo. Precisamos mostrar para o mundo a potência agroambiental que é esse país”, afirmou Moretti.

Ao novo chefe-geral do centro de pesquisa, o presidente da Embrapa disse que ele tem a missão de continuar contribuindo em busca de soluções para apoiar o agro brasileiro. Citou alguns sistemas de inteligência territorial, como a Macrologística Agropecuária Brasileira, que são base para a formulação de políticas públicas.

Conte com a diretoria-executiva e com essa nova Embrapa que estamos construindo para nossa modernização. Uma Embrapa mais próxima do produtor rural e do setor produtivo. Com um novo modelo de negócios e um futuro desafiador”, finalizou.

Demandas da sociedade

Em seu pronunciamento, Spadotti afirmou ter como objetivo manter a Embrapa Territorial como referência nacional e internacional na busca pelo desenvolvimento sustentável com equilíbrio entre sociedade, natureza e o aumento da produção competitiva de alimentos, fibras e energia para o Brasil e o mundo.

Vamos fortalecer o centro de pesquisa como instrumento estratégico para atender às demandas do Estado brasileiro, do governo, do setor do agro e de toda a sociedade. Faremos entregas para solucionar problemas reais que os produtores enfrentam no dia a dia. E estreitaremos os laços com nossos parceiros”, declarou ao destacar algumas ferramentas de inteligência territorial estratégica já desenvolvidas pelo centro de pesquisa.

Spadotti disse que sua confiança na Embrapa, em seus colegas e o fato de acreditar no futuro do Brasil como nação, o levou a assumir todos os desafios do novo cargo. “Vamos sempre servir ao nosso país. Vamos juntos lutar por um Brasil mais forte, mais justo e mais produtivo”.

Fonte: Comunicação – Embrapa Territorial

Veja outras notícias relacionadas

banner_
06/06/2024
Nota Andav: Medida Provisória 1.227/2024
Capa Informativo Site (2)
24/05/2024
Andav promove terceira edição de web série sobre gestão de riscos
OGF-news-2024-maior
16/05/2024
Lançamento do Outlook GlobalFert 2024: Principais Tendências e Perspectivas para o Mercado de Fertilizantes

Veja outras notícias relacionadas

unnamed
12/06/2024
Pacheco devolve ao governo parte da MP que altera regras do PIS/Cofins
banner_
06/06/2024
Nota Andav: Medida Provisória 1.227/2024
Capa Informativo Site (2)
24/05/2024
Andav promove terceira edição de web série sobre gestão de riscos
OGF-news-2024-maior
16/05/2024
Lançamento do Outlook GlobalFert 2024: Principais Tendências e Perspectivas para o Mercado de Fertilizantes
banner site 1
14/05/2024
7ª edição do Prêmio Mulheres do Agro
Informativos (4)
06/05/2024
Ajude o Rio Grande do Sul!
Informativos (1)
03/05/2024
Paulo Guedes confirma presença como palestrante de encerramento da Plenária do Congresso Andav 2024
Informativos (2)
18/04/2024
Associado Andav, últimos dias para garantir sua participação na Pesquisa Andav 2024!
banner_
28/03/2024
Atendendo a pedido de entidades do setor produtivo, Governo do RS adia em 30 dias início da vigência de decretos