Sete estados se unem para combater comércio ilegal de defensivos agrícolas.

O mercado ilegal de defensivos agrícolas alimenta o crime organizado e compromete a segurança de produtores e consumidores. Dados do Instituto de Desenvolvimento Econômico e Social de Fronteiras (IDESF) indicam que o mercado brasileiro de defensivos agrícolas gira em torno de R$ 31,2 bilhões. A estimativa é que o mercado formal perde ao ano cerca de R$ 7 bilhões a R$ 8 bilhões. A comercialização destes produtos em sites de e-commerce pulverizou o problema. Visando coibir a venda ilegal e irregular destes insumos no Estado de São Paulo, a Coordenadoria de Defesa Agropecuária de São Paulo, em parceria com a Associação Nacional dos Distribuidores de Insumos Agrícolas e Veterinários – ANDAV, iniciou em março de 2018 a Campanha Estadual de Combate a Venda Irregular de Agrotóxicos em Plataforma Digital. A iniciativa também conta com o apoio do e-commerce, Mercado Livre, uma das plataformas com maior número de anúncios identificados comercializando defensivos sem procedência definida e sem exigir receita agronômica. Em 2019 mais 6 estados aderiram à campanha, a Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (CIDASC), a Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (ADAPAR), a Superintendência de Defesa Agropecuária do Rio de Janeiro (SEAPEC), o Departamento de Defesa Agropecuária do Rio Grande do Sul (DDA), a Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal do Mato Grosso do Sul (IAGRO)e a Agência Goiana de Defesa Agropecuária (AGRODEFESA). Os agrotóxicos só podem ser adquiridos e utilizados mediante recomendação feita por um profissional de agronomia legalmente habilitado, após um diagnóstico da real necessidade do uso no local de aplicação, mediante prescrição da Receita Agronômica, conforme o Art. 66 do Decreto Federal Nº 4074/02. A aquisição, utilização de agrotóxicos e afins em desacordo com a legislação federal em vigor sujeita o usuário a responder processo administrativo, processo civil, por danos a terceiros, e até processo penal, por crime ambiental. Denuncie suspeita ações criminosas junto a Defesa Agropecuária da sua região.