Mercado Livre vai deixar de anunciar e vender defensivos agrícolas

O Mercado Livre, um dos maiores sites de comércio eletrônico do país, não irá mais anunciar ou comercializar defensivos agrícolas em sua plataforma.

A decisão é parte de um compromisso firmado pela empresa na segunda-feira (25) com o Ministério Público do Paraná (MPPR), após uma investigação da Operação Webcida, deflagrada em 2018.

Pelo acordo, a empresa se compromete a adotar, no prazo máximo de dois meses, medidas para identificar e remover de seu site qualquer forma de anúncio, exposição à venda ou comercialização de defensivos.

Isso inclui os produtos que tenham descrição ou imagens que os caracterizem como agrotóxico, defensivo agrícola, pesticida, produto fitossanitário, inseticida, herbicida, fungicida, veneno, raticida, mata mato, mata tiririca, entre outros.

O Mercado Livre deverá ainda aprimorar os termos e condições gerais de uso do site, deixando clara a proibição da compra e venda de defensivos por meio da plataforma.

 

Articulação de esforços contra o comércio ilegal

O mercado ilegal de defensivos agrícolas alimenta o crime organizado e compromete a segurança de produtores e consumidores. A comercialização irregular destes produtos em sites de  marketplace pulverizou o problema.

Visando coibir a venda ilegal e irregular destes insumos no Estado de São Paulo, a Coordenadoria de Defesa Agropecuária de São Paulo, em parceria com a Associação Nacional dos Distribuidores de Insumos Agrícolas e Veterinários (Andav), iniciou em março de 2018 a Campanha Estadual de Combate a Venda Irregular de Agrotóxicos em Plataforma Digital. A iniciativa também conta com o apoio do e-commerce, Mercado Livre, uma das plataformas com maior número de anúncios identificados comercializando defensivos sem procedência definida e sem exigir receita agronômica.

 

Em 2019 mais 6 estados aderiram à campanha, a Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (CIDASC), a Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (ADAPAR), a Superintendência de Defesa Agropecuária do Rio de Janeiro (SEAPEC), o Departamento de Defesa Agropecuária do Rio Grande do Sul (DDA), a Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal do Mato Grosso do Sul (IAGRO)e a Agência Goiana de Defesa Agropecuária (AGRODEFESA).

 

Os defensivos agrícolas só podem ser adquiridos e utilizados mediante recomendação feita por um profissional de agronomia legalmente habilitado, após um diagnóstico da real necessidade do uso no local de aplicação, mediante prescrição da Receita Agronômica, conforme o Art. 66 do Decreto Federal Nº 4074/02. Além disso, as unidades federativas são autônomas na determinação da regulamentação necessária para comercialização destes produtos.

Com informações do G1.

Veja outras notícias relacionadas

Enem (6)
22/01/2024
Novo Conselho Diretor da Andav assume gestão da entidade pelos próximos dois anos
17e7af25-30cc-40b3-8916-9b0b4bb95117
08/01/2024
Lei dos Defensivos Agrícolas é sancionada
Design sem nome (21)
07/12/2023
Confaz aprova novo convênio sobre transferência de créditos de ICMS em operações entre estabelecimentos do mesmo titular

Veja outras notícias relacionadas

banner_
01/02/2024
Nota Andav: Produtor Rural, atenção à oferta de Recuperação Judicial
Enem (6)
22/01/2024
Novo Conselho Diretor da Andav assume gestão da entidade pelos próximos dois anos
17e7af25-30cc-40b3-8916-9b0b4bb95117
08/01/2024
Lei dos Defensivos Agrícolas é sancionada
Design sem nome (21)
07/12/2023
Confaz aprova novo convênio sobre transferência de créditos de ICMS em operações entre estabelecimentos do mesmo titular